Sexta, 23 Março 2018 16:35

Deu pane na justiça

Escrito por Lúcio Flávio Pinto
Avalie este item
(0 votos)

Pegue tudo que foi dito ontem na sessão do Supremo Tribunal Federal, coloque no liquidificador made by Descartes, o resultado será um só em meio à algaravia verbal: a alta corte da justiça brasileira constrangeu a liberdade de julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª região, com sede em Porto Alegre, atropelando-o.

Cometeu essa violação jurisdicional, de certa forma (anticonvencional e maluca) suprimindo a instância, quando atendeu um requerimento incidental da defesa do ex-presidente Lula e o colocou sub-judice, à margem da estrita letra da lei (melhor dizendo: sob seu manto protetor) até 4 de abril.

Nessa data, violando a norma constitucional e mandando para as calendas gregas o seu regimento, sob as mais domésticas justificativas, retomará o julgamento interrompido de um habeas corpus que deveria ter sua análise e votação concluídas na mesma sessão, não importando quantas horas iria durar (“mas estamos cansados de não terminar julgamentos numa mesma sessão”, confessou, candidamente, a ministra Rosa Weber).

Antes disso, na próxima segunda-feira, o TRF-4 apreciará embargo de declaração dos representantes de Lula contra a decisão do próprio colegiado, que manteve a sentença condenatória do juiz Sérgio Moro, ampliando-lhe a duração da pena. Tudo indica que o recurso será negado. Como ato consequente, os desembargadores federais mandariam prender o ex-presidente.

Não podem mais fazê-lo porque a liminar incidental do habeas corpus (impetrado contra decisão monocrática de um ministro do Superior Tribunal de Justiça, substituída – sem a mesma e correspondente substituição recursal – pela confirmação do colegiado do STJ) deixou Lula protegido dessa decisão.

Mas e se o TRF-4 decidir, assim mesmo, mandar executar a sentença de Moro, de prisão de Lula por 12 anos e um mês, em regime inicialmente fechado, essa ordem poderá ser cumprida? Se decidir ignorar o ato do STF, instância final da justiça no Brasil, mas intruso na sequência processual, e determinar a um oficial de justiça, acompanhado por força policial, cumprir a sentença, que está revestida de plenitude legal, o que acontecerá?

O Brasil entrou em parafuso. A biruta do ar ficou biruta, mesmo não havendo mais ar para impulsioná-la. A justiça brasileira entrou em colapso, pelo seu topo, através de uma excelsa corte que olha mais para a câmera de televisão do que para os tratados jurídicos.

Ler 123 vezes

Comments fornecido por CComment