Terça, 05 Março 2019 17:33

Os riscos da Vale

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Uma redução de preço de apenas um dólar por tonelada no preço médio do minério de ferro no mercado internacional teria reduzido o lucro operacional da Vale no ano encerrado em 31 de dezembro de 2017 em aproximadamente US$ 300 milhões (mais de um bilhão de reais).

Só esse dado, que consta do último Formulário de Referência da companhia, documento interno produzido pela auditora independente KPMG no ano passado, revela como a empresa é afetada pelos movimentos nos preços do minério de ferro.

Os preços médios do minério de ferro mudaram significativamente nos últimos cinco anos, de US$ 135 por tonelada em 2013 para US$ 97 em 2014, US$ 55,5 em 2015, US$ 58,5 em 2016 e US$ 71,3 em 2017, para o minério com teor de pureza de 62% posto na China (o de Carajás tem mais de 66%).

A demanda por produtos de minério de ferro, carvão e níquel depende da demanda global por aço. O minério de ferro e pelotas, que, em conjunto, representaram 71,2% da receita operacional líquida da Vale de 2017, são utilizados para produção de aço carbono. O níquel, responsável por 13,7% da receita operacional líquida, é utilizado principalmente para produzir aço inoxidável e ligas de aço.

Os preços dos diferentes tipos de aço e o desempenho da indústria siderúrgica global “são altamente cíclicos e voláteis, e esses ciclos de negócios na indústria siderúrgica afetam a demanda e os preços dos produtos da Companhia”. Observa o relatório.

Além disso, a integração vertical a montante das indústrias siderúrgica e de aço inoxidável e o uso de sucata “podem reduzir o comércio transoceânico global de minério de ferro e níquel primário”.

A demanda por cobre é afetada pela demanda de fio de cobre e um continuado declínio na demanda da indústria da construção poderia ter um impacto negativo nos negócios de cobre da empresa. Atuando em várias partes do mundo, a mineradora tem que considerar muitos fatores de risco, os mais graves, nos últimos tempos, provocados por ela mesma, nos desastres de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais.

Ler 109 vezes Última modificação em Terça, 05 Março 2019 17:35

Comments fornecido por CComment