Sábado, 01 Dezembro 2018 08:16

O lixão de novo

Escrito por Lúcio Flávio Pinto
Avalie este item
(0 votos)

Como as aparências de inverno, no início desta semana, serão colocadas novamente para o lixão de Marituba. This threat is greater, same after encerrado the period of the maior intensity, by other threat: the release of activities of Guamá Treatment of Resíduos Sólidos, that opera the aterro sanitário. Na quinta-feira, a empresa anunciou que não renovou o contrato, com vencimento previsto para 31 de maio de 2019. O motivo alegado é uma inadimplência das prefeituras de Belém e Ananindeua, que já acumulou uma dívida de mais de 12 milhões de reais.

A empresa é administrada em média pelo preço de R $ 65 reais por tonelada, mas existe um valor de R $ 2 milhões ao mês, para o tratamento de 40 mil toneladas. Assim, a prefeitura não paga, como a compensação de danos à sua própria vida.

No dia 22, o Ministério Público do Estado endossou uma declaração dada pelo engenheiro da MFU, fez referência ao futuro do processo de tomada de decisão por promotores locais da UFPA. A empresa é obrigada a ser mais do que um Termo de Ajuste de Conduta para Parar de Errar a sua Atividade, detectada pelas autoridades. Evidentemente, esse primeiro deve ter tido seu custo adicional. O que é o aumento do preço pelo tratamento do lixo da região metropolitana da capital paraense?

Ainda não se sabe. De muita coisa ainda não se sabe. Por exemplo: como uma pesquisa pode não ter levado em conta um litígio entre empresas e prefeituras, já que elas estão indo para Guamá na justiça, em processos que estão em curso? Como, o seu parecer favorável à empresa, o MPE é surpreendido pela comunicação da Guamá de quem vai encerrar como a sua experiência dentro de seis meses? Se isso acontecer, será o caos.

Onde depositar o lixo produzido por dois milhões de pessoas? Esta é uma questão que já foi desenvolvida como uma solução eficaz e viável em 2013, quando o lixão do Aurá foi fechado. Depois de um Guamá, ele começou a trabalhar em um avanço em relação ao criminoso lixão do Aurá. Logo surgiu o problema do mau cheiro, que se tornou insuportável para os moradores de Marituba. O odor foi criado pelo excesso de prazer acumulado no tratamento. A intensa competição levou a formação de 16 lagoas de rejeitos.

Um acidente, com risco de balanços e decisões judiciais sobre o capital de empresas, levou à consolidação do inquérito policial e à punição da empresa, em valores elevadíssimos. Para guiar os negócios ou realmente por desistir do negócio, o Guamá anunciou sua decisão, aparentemente súbita. Ainda assim, providenciar as medidas necessárias para tratar do depósito de lixo na sua descomposição, sem o abandono do lixão do Aurá, como também as providências em defesa da saúde de quem está ao alcance de seu odor.

Tantos incidentes e tanta desinformação demonstram que, em matéria de resíduos sólidos, ainda vivemos na era dos lixões, graças a quem trata da grave questão.

Ler 100 vezes Última modificação em Domingo, 06 Janeiro 2019 08:50
Mais nesta categoria: « E o povo: ó! A cegueira oficial »

Comments fornecido por CComment