Quarta, 29 Agosto 2018 10:47

Salvar a casa

Escrito por Lúcio Flávio Pinto
Avalie este item
(0 votos)

Uma das foto que Esperança Bessa publicou na sua coluna de hoje do Diário do Pará, servindo de fundo para a pose de Flávia Lacerda, não fica na Cidade Velha, como foi dito, por um lapso. Sobrevive à incúria pública na praça de Nazaré, ao lado do Habib’s e em frente à sumaumeira (me veio atroz dúvida de pesadelos: ainda existe a mais bela e famosa árvore da cidade, com seus algodões lançados ao vento?).

A casa pertenceu ao médio Deoclécio Correa, conforme o marco fixado na porta principal. Alguns anos atrás encontrava eventualmente sua última habitante, da família Faciola, que só esporadicamente vinha a Belém, mas mantinha em bom estado a enorme construção, talvez a mais preciosa da área e das mais belas de Belém. Sugeri que o poder público a desapropriasse (pagando com correção seu justo preço) para nela instalar um  centro de informações sobre a história do Pará, com ênfase na cabanagem, na borracha e no Círio de Nazaré. Como lamentava o príncipe Egmont, na peça de Goethe, traduzida por Benedito Nunes, encenada no Teatro da Paz: debalde.

O equívoco foi providencial: exibindo um trecho da fachada atrás de Flávia, encantadoramente natural no seu álbum de viagem, serviu para mostrar a beleza da mansarda e renovar o apelo: salvem-na!

Ler 34 vezes
Mais nesta categoria: « Belém (32) Companhia municipal »

Comments fornecido por CComment