Terça, 10 Abril 2018 17:36

“Operação Abafa”

Escrito por Lúcio Flávio Pinto
Avalie este item
(0 votos)

Reproduzo, para quem interessar possa, texto de José Casado, publicado na edição de hoje de O Globo. Casado é um grande jornalista, um velho amigo pelo qual tenho respeito profissional. Ele apura muito bem o que escreve.

Pela vontade do juiz Marco Aurélio Mello, amanhã o Supremo volta a analisar a prisão de réus condenados em segunda instância, como é o caso de Lula. Se acontecer, vai ser difícil explicar à sociedade por que se retoma discussão encerrada semana passada, depois de 11 horas e pelo voto da maioria do tribunal.

Seria a quarta tentativa nos últimos 25 meses, e a segunda apenas neste abril, de retorno ao regime onde todos são iguais, porém alguns são mais iguais que outros — especialmente, os de “colarinho branco”, afortunados no banco ou no protagonismo político.

O juiz Mello foi provocado por duas ações com o timbre do Partido Ecológico (atual Patriota) e do Conselho Federal da OAB.

Elas foram protocoladas no Supremo entre os dia 18 e 19 de maio de 2016, uma semana depois de Michel Temer assumir o Planalto.

A aflição daqueles dias, com a derrubada de Dilma Rousseff, encobria a preocupação de duas centenas de políticos — com ou sem mandato — investigados na Lava-Jato.

Negociava-se “estancar a sangria”, nas palavras do senador Romero Jucá gravadas por Sérgio Machado, antigo caixa do PMDB.

Então, foram levadas ao Supremo essas duas ações contra a prisão em segunda instância.

A colaboração de Machado foi aceita na semana seguinte. Ele prometeu devolver R$ 75 milhões em propinas recebidas e entregou gravações de conversas com a cúpula do partido.

Numa delas, do mês anterior, o coletor conversava com o então presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Eis um trecho:

Machado: “O PSDB, eu tenho a informação, se convenceu de que eles… É o próximo da vez.”

Renan: “O Aécio [Neves] disse isso lá… E que eu sou a esperança única que eles têm de alguém para fazer o…” Machado interrompeu: “Colocando o Supremo… Fazer um pacto de Caxias. Vamos passar uma borracha no Brasil daqui para a frente.” Renan citou sugestões recebidas: “Antes de passar a borracha, precisa fazer três coisas, que alguns do Supremo [inaudível] fazer. Primeiro, não pode fazer delação premiada preso, porque aí você regulamenta a delação…” Machado: instância, “Acabar que com está esse apavorando negócio da todo segunda mundo.” Renan: “A lei diz que não pode prender depois da segunda instância. E ele aí dá uma decisão, interpreta isso e acaba isso.” “Acaba isso”, concorda Machado. Renan completa: “E, em segundo lugar, negocia a transição com eles [STF].” “Com eles… Eles têm que estar juntos…” Fracassaram todas as tentativas de estancar a sangria. Insiste-se, porém, numa “enorme Operação Abafa deflagrada em várias frentes”, disse o juiz Luís Roberto Barroso, no julgamento da semana passada.

A liquefação política une PT, PMDB e PSDB, entre outros. A lista de beneficiários da eventual reversão da prisão em segunda instância começa com Lula e inclui personalidades como Eduardo Azeredo (PSDB), ex-governador de Minas. Pioneiro do mensalão, ele foi condenado a 20 anos e um mês, e vai a novo julgamento dia 24, em Belo Horizonte.

Com novos recursos judiciais, o caso do líder tucano pode acabar em prescrição dos crimes, depois de 11 anos longos anos de repouso nos escaninhos da Justiça mineira.

Até agora, fracassaram as tentativas de ‘estancar a sangria’ provocada pela Lava-Jato. Insiste-se em várias frentes, diz o juiz Luís Barroso. Principalmente no Judiciário

Ler 27 vezes

Comments fornecido por CComment